Conheça os vencedores do Prêmio Talento Engenharia Estrutural 2016

O Prêmio Talento Engenharia Estrutural, uma iniciativa da Gerdau e da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural (Abece), tem como objetivo reconhecer e premiar os profissionais ou empresas que desenvolvem projetos de destaque na engenharia de estruturas. Em sua 14ª edição, os participantes concorreram em cinco categorias: Infraestrutura, Edificações, Pequeno Porte, Obras Especiais e Construção Industrializada. Os vencedores e as menções honrosas foram anunciados no dia 27 de outubro, durante o Encontro Nacional de Engenharia e Consultoria Estrutural (Enece), em São Paulo (SP).

 

Segundo o regulamento, a categoria Infraestrutura avaliou projetos estruturais voltados para a área pública; em Edificações foram consideradas estruturas verticais ou horizontais para diversos usos e com área construída superior a 3 mil m²; de Pequeno Porte foram consideradas estruturas de residências unifamiliares de qualquer tamanho e edifícios – para qualquer uso – com área construída de até 3 mil m²; como Obras Especiais foram considerados projetos estruturais com sistemas construtivos específicos e diferenciados; e, por último, a categoria Construção Industrializada abrigou estruturas pré-fabricadas, pré-moldadas, metálicas ou que tenham se valido de processos industrializados de produção.

Além dos vencedores e das menções honrosas relativas a cada categoria, uma obra foi escolhida como o Destaque do Júri e outros dois projetos foram destaques no quesito Sustentabilidade. O público também participou da escolha de uma obra votando online. Puderam participar empresas e profissionais sediados no território brasileiro e projetos com menos de cinco anos desde sua concepção que já tivessem com a estrutura totalmente concluída.

Categoria Infraestrutura

VENCEDOR
Pontes Itapaiúna e Laguna
Autor: Luciano Afonso Borges (Maubertec Engenharia e Projetos – São Paulo/SP)
Cidade: São Paulo (SP)

Distantes 900 m uma da outra, as pontes Laguna e Itapaiúna fazem parte de uma intervenção viária que visa melhorar o trânsito na zona Sul de São Paulo. A geometria curva e complexa da ponte Itapaiúna, onde três ramos convergem, levou à adoção de uma estrutura em concreto protendido moldada in loco, com altura de construção variável no vão principal de 112 m sobre o rio e nos dois adjacentes.

Com vão relativamente pequeno (123 m) e uma declividade transversal de 3%, a ponte Laguna tem uma configuração curva com duas rampas de acesso em formato de “Y” em uma das margens, associada a um tabuleiro relativamente largo, o que conduziu à escolha de uma superestrutura em concreto protendido e em seção celular.

MENÇÃO HONROSA
Tecon
Autor: Augusto Cesar Guimaraes Freire (Beton Stahl Engenharia – Rio de Janeiro/RJ)
Cidade: Itaguaí (RJ)

O berço 301, no Porto de Itaguaí, é uma estrutura de 270 m de comprimento usada para amarração e atracação de embarcações e atuação de portêineres para embarque e desembarque de contêineres. A seção transversal do trecho IV, que tem 50 m de comprimento, consiste em quatro eixos de vigas longitudinais com alturas variáveis e eixos transversais a cada 5 m.

A laje será feita em duas etapas, sendo que a primeira é uma laje pré- -moldada e a segunda, uma sobrelaje. O elemento receberá um acabamento de 0,10 m de concreto simples. O projeto segue a NBR 6.118-2014 – Projeto de estruturas de concreto e os procedimentos seguem a NBR 9.782: Ações em Estruturas Portuárias, Marítima ou Fluviais.

Categoria Edificações

VENCEDOR
Barão de Tefé
Autor: José Augusto de Ávila (Ávila Engenharia de Estruturas – Marília/SP)
Cidade: Rio de Janeiro (RJ)

O edifício Barão de Tefé, no Rio de Janeiro, se destaca pelas fachadas de pele de vidro inclinadas e desencontradas, que impuseram desafios à elaboração do projeto estrutural. Para melhor aproveitamento do espaço interno e um sistema mais rígido de fixação de fachadas, foram adotados pilares inclinados. Entre o 9o e o 10o pavimentos, alguns pilares possuem uma inflexão, ou seja, mudam de inclinação.

Nos pavimentos-tipo, grandes vãos solicitados são vencidos por lajes nervuradas com 0,35 m de altura e faixas de protensão. Para dar estabilidade à edificação e resistência aos esforços horizontais, o núcleo do edifício foi enrijecido com pilares e vigas. Os pilares do prédio coincidiram com as paredes-diafragma em dois alinhamentos, com cargas verticais em torno de 2000tf cada. Para distribuir as cargas sobre as várias lamelas das paredes-diafragma foram projetadas vigas de transição, no nível do 1o pavimento, que atuam como como blocos flexíveis de fundação.

MENÇÃO HONROSA
Edifício Vista Faria Lima
Autor: Virgílio Augusto Ramos (CEC – Cia de Engenharia Civil – São Paulo/SP)
Cidade: São Paulo (SP)

 

No edifício Vista Faria Lima, em São Paulo, as lajes de aproximadamente 1.000 m² são livres de pilares, o que confere flexibilidade de ocupação à planta baixa. Composta por 17 pavimentos-tipo e cinco subsolos, a torre de fachada curva possui lajes planas nervuradas, vigas de 0,80 m de altura protendidas unidirecionais e vigas de travamento internas estrategicamente colocadas para reaproveitamento da fôrma.

As vigas que se apoiam nos pilares têm largura variável a partir da viga de travamento para acomodar as ancoragens. Devido à excentricidade do core e das variações estruturais nos pavimentos- tipo com pilares inclinados, este edifício foi analisado em túnel de vento. Uma das dificuldades técnicas foi a previsão de fundações e subsolos para dois tipos diferentes de arquitetura, o que exigiu diversas combinações de carregamento nas fundações.

Categoria Pequeno Porte

VENCEDOR
Residência Daniela Berquó
Autor: Igor Techeira de Oliveira (Bueno Projetos Estruturais – Goiânia/GO)
Cidade: Goiânia (GO)

Com 418 m² de área construída e três pavimentos, a residência tem a estrutura de concreto armado protendido na qual se destacam os dois pilares em “Y” e uma laje protendida em curva convexa com vão entre pilares de 10 m e balanço no maior ponto de aproximadamente 5 m. Na cobertura, a laje convexa é lisa na face inferior e os pilares em “Y” são prismáticos.

Destinado à garagem da residência, o pavimento abaixo do térreo limitou o posicionamento dos pilares em “Y”, resultando no maior vão da laje do térreo de 11 m. Isso exigiu que os pilares que sustentam a cobertura dos quartos, no pavimento térreo, nascessem todos na laje apoiada pelos pilares em formato “Y”.

MENÇÃO HONROSA
Casa das Crianças na Quinta do Lago
Autor: Gilberto Mascarenhas Barbosa do Valle (Projest Consultoria e Projetos – Rio de Janeiro/RJ)
Cidade: Petrópolis (RJ)

 

Nesta casa em Petrópolis (RJ), a estrutura metálica viabiliza os grandes vãos que favorecem a vista da paisagem natural para quem está no interior da construção de fachadas envidraçadas. Implantada em um terreno acidentado, a casa se encontra parcialmente suspensa, apoiada em colunas metálicas com quatro ramificações nas extremidades. O sistema de apoio não usual gera um terraço em balanço.

Categoria Obras Especiais

VENCEDOR
Centro Olímpico de Tênis – RIO 2016
Autor: Antônio José Gonçalves Monteiro (M&G Monteiro & Gomes Engenheiros Associados – Rio de Janeiro/RJ)
Cidade: Rio de Janeiro (RJ)

 

Construído para os Jogos Olímpicos Rio 2016, o Centro Olímpico de Tênis é uma arena circular com 120 m de diâmetro e 10.500 m² de área, que inicialmente seria construída com uma estrutura moldada in loco de acordo com o projeto executivo feito pela empresa alemã GMP. No entanto, devido a uma série de fatores, entre eles a velocidade de execução, foi solicitado à Monteiro & Gomes Engenheiros Associados que desenvolvesse uma estrutura pré-moldada de concreto, mas que atendesse às necessidades da arena como foi concebida originalmente.

A solução estrutural adotada se baseia em nós de ligação rígidos que garantem uma estrutura em monolito após sua execução, com a utilização de emendas de barras roscadas e passantes nas junções de vigas e pilares. O vigamento metálico foi fixado na cabeça dos pilares extremos, de forma a equilibrar o esforço radial de tração no anel superior da estrutura.

MENÇÃO HONROSA
Torre eólica em concreto
Autor: Marcelo Correia Alcântara Silveira (MD Engenheiros Associados – Fortaleza/CE)
Cidade: São Gonçalo do Amarante (CE)

Instaladas no Complexo Eólico Taíba, município de São Gonçalo do Amarante (CE), e no Complexo Eólico Amontada, município de Amontada (CE), torres pré-fabricadas de concreto com protensão aderente servem de apoio para aerogeradores fabricados pela empresa Suzlon. Com 100 m de altura, cada torre tem estrutura composta por aduelas pré-moldadas em concreto que, após sua montagem, é protendida por cabos locados no interior das paredes das aduelas e com aderência posterior.

A montagem da torre é simples, pois a protensão é aplicada em cada trecho de dimensão constante. A fixação provisória para estabilização da estrutura não é necessária, reduzindo custos e tempo de montagem. A ligação da torre com a fundação se faz por meio de barras protendidas do tipo Dywidag, sem a necessidade de criação de câmara interna na fundação, o que reduz drasticamente o volume de concreto da fundação.

Categoria Construção Industrializada

VENCEDOR
Edifício Garagem T2 – Expansão do Aeroporto Galeão
Autor: Tamara Carvalho Freire (Beton Stahl Engenharia – Rio de Janeiro/RJ)
Cidade: Rio de Janeiro (RJ)

O edifício-garagem do Aeroporto Galeão, no Rio de Janeiro, ganhou mais quatro pavimentos feitos com Bubbledeck, sistema que possibilitou a execução de lajes de 0,46 m de espessura com o consumo de concreto equivalente ao de uma laje maciça de 0,32 m de espessura, graças às esferas plásticas que reduzem o volume do material consumido, sem alterar a rigidez do elemento estrutural.

Com estrutura em formato radial e vãos de 16 m por 10 m, as lajes de cada pavimento possuem área de 12.500 m². Para vencer os vãos de 16 m foi projetado um escoramento especial que transmitia as cargas diretamente para os pilares. Para isso, foram empregadas treliças metálicas que descarregavam em vigas metálicas projetadas para o carregamento da concretagem, levando a carga para os pilares por consoles metálicos protendidos com sistema Dywidag.

MENÇÃO HONROSA
Terminal Integrador Uberaba
Autor: Alisson Ramos Madeira (Simon Engenharia – Porto Alegre/RS)
Cidade: Uberaba (MG)

Localizado na Rodovia BR-050, em Uberaba (MG), o Terminal Integrador Uberaba é um parque industrial com estruturas em concreto armado e coberturas metálicas com grandes vãos. O desafio do projeto foi vencer um vão de 45 m por meio de um arco treliçado, com uma carga de transportador no meio da distância entre apoios. Este modelo de estrutura deixou totalmente livre o galpão para o estoque e a movimentação dos produtos armazenados.

Destaque do Júri

Velódromo Olímpico do Rio
Autor: Bruna Vidal Brocchi (JLA Casagrande Serviços e Cons. de Engenharia – Rio de Janeiro/RJ)
Cidade: Rio de Janeiro (RJ)

 

Criado para sediar as provas de ciclismo de pista nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, o Velódromo Olímpico tem a estrutura principal da cobertura constituída por 14 treliças apoiadas sobre pilares e ligadas a uma treliça secundária em torno de toda a estrutura em forma de anel. A arquibancada foi desenvolvida em uma estrutura pré-moldada com lajes alveolares. Para atender às exigências do Comitê Olímpico Internacional (COI) referente à segurança contra ataques terroristas, o maior desafio deste projeto, foram utilizados nós rígidos na estrutura pré-moldada, gerando uma continuidade nas vigas que garantem a estabilidade global do conjunto mesmo que uma peça estrutural seja removida.

Votação online

VENCEDOR
SPaventura Ecolodge
Autor: Társis Rafael Silva Travassos Oliveira – (Grifa Engenharia – São Paulo/SP)
Cidade: Ibiúna (SP)

 

Trata-se de uma estrutura metálica com cobertura em membrana retesada cuja forma lembra a de uma folha. Com 50 m de comprimento e vãos transversais que chegam a 23 m, a estrutura possui balanços de aproximadamente 9 m. Os carregamentos considerados envolvem cargas como o peso próprio da estrutura metálica e retesamento da membrana e cargas acidentais e pressões decorrentes do vento agindo sobre as superfícies da membrana e da estrutura metálica, para ângulos de ataque variando de 0 a 315 graus. Os diversos casos de pressão de vento foram modelados em Túnel de Vento Eletrônico CFD (Computer Fluid Dynamic) por meio do programa CFX-Ansys, que representa o escoamento do ar ao redor da estrutura e permite o cálculo de pressões sobre a membrana.

Categoria Sustentabilidade

Reservatórios – Praças Niterói e Vanhargem
Autor: Leonardo Patrício Chaves (JLA Casagrande Serviços e Cons. de Engenharia – Rio de Janeiro – RJ)
Cidade: Rio de Janeiro (RJ)

O projeto faz parte do conjunto de reservatórios e outras obras de drenagem que visam eliminar as enchentes da Grande Tijuca. Todas as vigas da cobertura dos reservatórios foram reaproveitadas do viaduto da Perimetral. Além de vencer vãos de até 40 m, a estrutura da cobertura deveria ser dimensionada para a utilização como praça pública. Por meio do “efeito de arco”, buscou-se distribuir melhor os esforços provenientes dos empuxos do solo, reduzindo assim significativamente a presença de estroncas ou outras estruturas internas de contraventamento que, além de dificultar e retardar as escavações, reduziriam o volume total de armazenamento de cada piscinão. Para garantir a continuidade dos arcos e perfeita distribuição dos esforços foram construídos anéis de compressão em diferentes níveis, ligando todas as lamelas.

 

Residência Joá
Autor: Carlos Alberto Szucs (Szucs Engenharia e Arquitetura – Florianópolis/SC)
Cidade: Rio de Janeiro (RJ)

Situada em um penhasco rochoso inclinado, de frente para o mar, a casa tem a estrutura composta de elementos estruturais pré-fabricados, como as colunas de tubos metálicos. Apoiada nas colunas metálicas, a estrutura superior é composta por peças curvas de madeira laminada colada com comprimentos de até 28 m, vãos de até 12 m e balanços de até 9 m. A concepção estrutural baseada na industrialização e racionalização da construção ajudou na obtenção da forma curva e orgânica da cobertura.

Da redação

Veja também: