Notícias rápidas da engenharia

Multinacional inaugura centro de pesquisa e desenvolvimento no interior de São Paulo

Foi inaugurado no último mês na região de Capivari, interior de São Paulo, o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da multinacional Saint-Gobain. O novo empreendimento desenvolverá pesquisas com foco em soluções industriais e para a construção civil, adequadas às condições climáticas brasileiras e ao perfil de matérias-primas do País. Construído ao longo de 13 meses, o edifício incorporou medidas sustentáveis, como o uso de luz natural, captação de água da chuva e reaproveitamento de águas cinzas. O projeto, com 4 mil m² de área construída, recebeu a certificação Leadership in Energy and Environmental Design (Leed) na categoria Gold. Ainda está prevista a construção de duas casas protótipos: uma receberá medidas de conforto termoacústico, enquanto a outra permanecerá sem elas. O objetivo é fazer um estudo comparativo do desempenho dessas duas secasas no ambiente climático do interior do Estado de São Paulo. Também será instalada no centro uma central de medição meteorológica para a cidade de Capivari. Até agora, as previsões adotadas por esse município eram as da cidade de Campinas, situada a cerca de 40 km de distância. Este é o oitavo centro de pesquisa e desenvolvimento da Saint-Gobain, e o primeiro localizado no hemisfério Sul.

Arquiteta é condenada pelo CAU-SP por apresentar títulos falsos de pós-graduação

Após denúncia anônima recebida pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (CAU-SP), o plenário do conselho condenou, no dia 14 de abril, uma arquiteta e urbanista ao cancelamento do seu registro profissional por ter apresentado títulos falsos de pós-graduação (mestrado e doutorado), que teriam permitido a sua contratação como coordenadora e docente de um curso de arquitetura e urbanismo em São Paulo. A 3ª Sessão Plenária Extraordinária reuniu os conselheiros do CAU-SP, que condenaram a profissional pela infração ao item 2.2.6 do Código de Ética e Disciplina do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil, que diz: “o arquiteto e urbanista deve prescindir de utilizar o saber profissional para emitir opiniões que deturpem conscientemente a verdade, persuadindo leigos, a fim de obter resultados que convenham a si ou a grupos para os quais preste serviço ou aos quais representa”. Houve ainda, segundo o parecer apresentado, infração à regra 1.2.5 do Código de Ética e Disciplina: “o arquiteto e urbanista deve-se declarar impedido de assumir responsabilidades profissionais que extrapolem os limites de suas atribuições, habilidade e competências, em seus respectivos campos de atuação”. A profissional fica impedida do exercício da atividade de arquitetura e urbanismo em todo o território nacional. Cabe, ainda, recurso à decisão do Plenário do CAU-BR.

EMTU-SP deve exigir requisitos Aqua-HQE em empreendimentos de transporte público metropolitano

A Fundação Vanzolini e a EMTU-SP, empresa vinculada à Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos, assinaram convênio de cooperação técnica que, entre outras medidas, possibilitará a exigência dos requisitos de sustentabilidade da certificação Aqua-HQE em projetos de transporte urbano da empresa de baixa e média capacidade. O processo depende ainda do desenvolvimento técnico- legal para adequação das exigências da certificação nos modelos de licitação pública de projetos da EMTU. Por isso, as entidades definiram como prioridade inicial a capacitação das equipes da empresa sobre os preceitos da certificação. Segundo o coordenador executivo da Aqua-HQE, Manuel Carlos dos Reis Martins, a certificação pode ser aplicada na avaliação e controle sustentável dos projetos dos terminais rodoviários por meio do Referencial Técnico de Edificações Não Residenciais, mas a certificação de projetos, a execução de obras e a operação da infraestrutura dos sistemas viários ainda dependem de desenvolvimento compartilhado de preceitos técnicos específicos. O desenvolvimento do referencial técnico para infraestrutura viária de transportes deve ocorrer em uma parceria, que além da Fundação Vanzolini e da EMTU, envolve o corpo técnico da Cerway, entidade francesa que coordena as ações do HQE em âmbito global.

Primeira turbina da Usina de Belo Monte, no Pará, entra em operação comercial

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou recentemente, em texto publicado no Diário Oficial da União (DOU), o início da operação comercial da unidade geradora UG1 da Usina de Belo Monte, no Estado do Pará. A turbina tem potência instalada de mais 611,11 megawatts (MW). A previsão da concessionária Norte Energia S.A. é de que a cada dois meses seja ativada uma nova turbina até o pleno funcionamento da hidrelétrica, em 2019. Belo Monte terá capacidade instalada de 11.233,1 MW, dos quais 11 mil MW na Casa de Força Principal e 233,1 MW na Casa de Força Complementar. Em março desse ano o Ministério Público Federal (MPF) quis barrar a obra por risco de colapso sanitário, devido ao saneamento básico precário ou quase inexistente na cidade de Altamira, local de construção da Usina de Belo Monte. Outra polêmica envolvendo essa obra foi a utilização de recursos públicos. Estão sob investigação as empresas Camargo Corrêa (que detém 16% de participação acionária), Odebrecht (também 16%), Andrade Gutierrez (18%), OAS (11,50%), Queiroz Galvão (11,50%) e Galvão Engenharia (10%), que foram contratadas pela Norte Energia, formada por fundos de pensão (Petros e Funcef) e estatais do setor elétrico (Eletrobras, Chesf, Eletronorte, Cemig e Light) para a execução das obras civis.

Duas normas de instalações hidrossanitárias são atualizadas no Construnormas

A PINI incluiu duas atualizações no site do Construnormas (www.construnormas.pini.com.br) por conta da mudança e substituição das normas antes vigentes que tratam de tubos e conexões para sistemas de água fria. A primeira é referente a tubos e conexões de PEAD para sistemas de adução de água, a NBR 15.561:2016 Tubulação de Polietileno PE 80 e PE 100 para Transporte de Água e Esgoto Sob Pressão – Requisitos, que sofreu altera ções. A página contém orientações como dimensões de tubos para redes e adutoras de água sob pressão PE 80 e PE 100, valores de ensaio de resistência à pressão hidrostática interna, entre outras. A segunda é sobre tubos e conexões de polietileno, cuja norma foi cancelada e substituída. Na página do Construnormas encontram- se informações sobre certificação do produto, desempenho, classificação ambiental e manutenção.

Divulgados detalhes construtivos de casa modelo de R$ 94 mil da CDHU

Foi apresentada na Feicon Batimat 2016, realizada em São Paulo no começo de abril, a casa modelo para famílias de baixa renda da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) do Governo de São Paulo. A residência é utilizada nos conjuntos habitacionais do Estado de São Paulo desde 2008 e nas unidades habitacionais do programa habitacional Minha Casa Minha Vida (MCMV), do Governo Federal. As principais preocupações da unidade habitacional são a acessibilidade e a sustentabilidade. Quanto à primeira, portas e banheiros mais largos auxiliam a locomoção de cadeirantes. A sustentabilidade é abordada com a instalação de aquecedores solares e tecnologias voltadas à economia de energia elétrica e água, por exemplo. Calcula-se, para a construção desse tipo de habitação, um custo médio de R$ 94 mil, sendo R$ 20 mil para a infraestrutura e R$ 74 mil para a edificação. Foram entregues, aproximadamente, 50 mil unidades nesses padrões pela CDHU em todo o Estado de São Paulo, desde 2011.

CBIC lança a 21ª edição do Prêmio de Inovação e Sustentabilidade

A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) lançou recentemente a 21ª edição do Prêmio CBIC de Inovação e Sustentabilidade – Concurso Falcão Bauer. A premiação deve reconhecer trabalhos de pesquisa que envolvam produtos e sistemas inovadores, cujo resultado tenha significativo impacto na modernização dos processos construtivos no País. Podem participar empresas, pesquisadores e estudantes brasileiros. As temáticas propostas pela organização do evento são: Industrialização e aumento da produtividade; Redução de custos; Sustentabilidade; e Impacto social: segurança e qualidade. As inscrições acontecem entre os dias 12 de maio e 30 de setembro. Outras informações estão disponíveis no site do concurso (www.cbic.org. br/premioinovacaoesustentabilidade).

Norma técnica de projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado está em consulta nacional

Está em consulta nacional até o 12 de junho a revisão da NBR 9.062:2016 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado. Dentre as principais alterações encontram-se uma definição mais detalhada de cálculos do Alfa R (o fator de restrição utilizado para o cálculo de uma estrutura semirrígida) e o cálculo de blocos para pilares pré-moldados. Também há um novo capítulo com cálculo considerando a estrutura em situação de incêndio, principalmente em lajes alveolares, e o detalhamento da montagem das estruturas pré-fabricadas, que passou de cinco linhas para cerca de dez páginas. Também foi complementada a NBR 12.655:2015 Concreto de Cimento Portland – Preparo, Controle, Recebimento e Aceitação – Procedimento, para incluir termos que antes a norma não abordava. A atualização também readequou a NBR 9.062:2016 à sua norma mãe, a NBR 6.118:2014 Projeto de Estruturas de Concreto – Procedimento. A intenção, segundo a Comissão de Estudos de Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldadas (CE 02:124.06), é de que a norma se tornasse mais detalhada, clara e menos superficial, o que contribui para o aumento da segurança no ambiente da construção civil.