Casas instantâneas | Téchne

Projetos

Casas instantâneas

Sistemas construtivos rápidos para residências térreas utilizam materiais como concreto celular, madeira, plástico e dry-wall

Texto original de Bianca Antunes
Edição 79 - Outubro/2003
Construir rápido. Esse passou a ser o objetivo de muitas empresas e construtoras que importam sistemas alternativos para a tradicional alvenaria ou, até, desenvolvem produtos nacionais. O investimento na área aumentou a partir de meados da década de 1990. Hoje, dependendo da solução escolhida, o prazo para a construção de uma casa de médio porte varia de quatro dias a três meses e meio.

Alguns investimentos têm, ainda, um objetivo atraente: rapidez com baixo custo. É o caso das construções populares, representadas por empresas como a Cosipa/Usiminas, com kits construtivos de estrutura metálica, a MVC, com paredes de plástico, e a casa de concreto celular, da Gethal.
Ainda que projetados para obras populares, residências de alto padrão podem perfeitamente utilizar esses sistemas. Ou, então, partir para outras soluções, como a da Seqüência, que trouxe ao Brasil um modelo norte-americano de construção, ou a da ITA, com estrutura e fechamento de madeira.

Entre as soluções empregadas destacam-se as estruturas metálicas, como o steel frame. Estruturas de madeira e de concreto celular são outros exemplos do que se pode encontrar. O fechamento também muda: madeira, plástico, dry-wall e placas cimentícias - a maioria segue um padrão de construção modular em série. A tradicional alvenaria também encontra seu espaço na área de construção rápida. A DP Engenharia, por exemplo, aliou alvenaria a outros sistemas alternativos, que lhe rendeu maior produtividade e construção de casas em três meses e meio.


Estrutura metálica

Seqüência
Depois de um ano e meio de pesquisas nos Estados Unidos e investimentos de
R$ 2 milhões, incluindo importação de casas e contratação de empreiteiros estrangeiros, a Seqüência trouxe ao Brasil um sistema industrializado de construção de casas, espelhado no modelo norte-americano.

Com estrutura de steel frame, o kit construtivo das primeiras casas implantadas no Brasil era todo importado. Hoje, muitos materiais passaram a ser fabricados no Brasil - o que proporcionou redução de custo e menor prazo de entrega, que não ultrapassa três meses.

A norma para a utilização do steel frame é estrangeira. A Seqüência utiliza a norma norte-americana do AISI (American Iron and Steel Institute). Já as normas para as instalações hidráulicas e elétricas são brasileiras.


A Seqüência segue o padrão norte-americano, com estrutura de steel frame e fechamento externo de OSB

Fundação: radier de concreto. De acordo com o tipo do solo, pode variar a espessura entre 8 e 10 cm
Sistema estrutural: steel frame. Sobre o radier são feitas marcações para a colocação dos perfis estruturais. A fixação dos painéis ao radier é feita com pinos de 2", cravados com uso de pólvora. Os perfis metálicos podem ser montados isolados, previamente, ou já compostos, com as chapas de gesso acartonado (que servem de vedação interna), formando, assim, painéis. O aço da estrutura possui tensão de escoamento mínima de 228 MPa
e é revestido com zinco
Laje de 2º piso: OSB 25 mm ou steel deck
Estrutura de cobertura: steel frame
Paredes divisórias internas: dry-wall, de 12 mm. Recebe miolo de lã de vidro ou rocha para proteção térmica e acústica - o isolamento de sons aéreos pode chegar a 60 dB. Com os perfis, as paredes internas têm cerca de 12 cm de espessura
Proteção termoacústica: lã de vidro (também nas paredes da fachada)
Instalações hidráulicas e elétricas: convencional
Revestimento de pisos e paredes internas: não há restrições
Fechamento externo: OSB com membrana de vapor, uma manta de polietileno de alta densidade usada para cobrir toda a área externa, de modo a garantir a estanqueidade das paredes.
Ao todo, a espessura da parede externa varia de 18 a 20 cm, dependendo
do acabamento escolhido
Acabamento externo: tijolo à vista, argamassa armada ou siding de PVC, instalados após a manta
Revestimento de cobertura: qualquer tipo de telha. O mais rápido é usar o shingle pregado no OSB
Impermeabilização externa: membrana de vapor
Preço/m2: R$ 1 mil. Inclui cozinha completa (com lava-louça, geladeira, fogão e microondas), lava-roupa, aquecedor, pressurizador, instalação para aspiração central e para condicionador de ar multi split, gabinete nos banheiros, luminárias e espelhos



Neohaus

No Brasil desde 1998, a Neohaus utiliza o steel frame como estrutura das residências. A tecnologia é importada e as primeiras casas vieram dos Estados Unidos. Em 1999, a produção passou a ser totalmente brasileira.
Uma casa de até 200 m2 fica pronta em três meses. A Neohaus utiliza ainda outros sistemas estruturais - quando sua aplicação for a mais indicada - como, por exemplo, pilares e vigas metálicas de perfis pesados ou alvenaria para subsolos.
Com estrutura de steel frame, uma casa de 200 m2 fica pronta em três meses

Fundação: radier de concreto (15 cm)
Sistema estrutural: light steel frame (para projetos que permitam distribuição de peso na estrutura). De aço galvanizado, os perfis têm proteção anticorrosiva, com revestimento de zinco por imersão a quente.

Os perfis estruturais têm espessura de 0,95 mm, com tensão de escoamento de 228 MPa. Em projetos com grandes vãos utilizam-se perfis pré-fabricados com aço patinável (alto teor de cobre na liga).

A fixação no radier, no caso do steel frame, é feita com pinos de 2". No caso de perfis mais pesados, a fixação é feita com chumbadores

Laje do 2º piso: steel deck e concreto armado
Estrutura de cobertura: light steel frame ou estrutura de aço tradicional
Paredes divisórias internas: dry-wall, com manta mineral (lã de vidro ou de rocha) no centro para garantir conforto térmico e acústico
Proteção termoacústica: lã de vidro ou lã de rocha
Instalação elétrica e hidráulica: convencional
Revestimento de piso e parede: não há restrições
Fechamento externo: sanduíche de chapa cimentícia (10 mm), manta mineral (lã de vidro ou de rocha) e gesso acartonado. Como os perfis metálicos têm 14 cm, a espessura final das paredes externas é de 16,5 cm
Acabamento externo: desde revestimento texturizado direto sobre a placa cimentícia até tijolinho à vista
Revestimento de cobertura: não há restrições
Preço/m2: R$ 800 a R$ 1,3 mil



Cosipa/Usiminas

As casas da Cosipa foram desenvolvidas inicialmente para atender ao padrão da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo). São casas-padrão, com dois dormitórios, sala, cozinha e banheiro e 36 m2 de área útil. Há também kits de 18 m2 para uma futura ampliação. O prazo para a montagem da estrutura é de cinco horas - a casa fica pronta entre seis e dez dias.

A Cosipa fornece apenas o kit para estrutura, composto por todas as peças
do esqueleto, o que inclui a estrutura para o telhado, parafusos e chumbadores, além de um gabarito para locação dos chumbadores no radier e manual de montagem. As peças são entregues soltas e o kit deve ser montado na obra.
A Cosipa fornece o kit estrutural de aço patinável, para casas padronizadas de 36 m2. A vedação pode ser de blocos de concreto

Fundação: radier (10 cm)
Sistema estrutural e estrutura de cobertura: elementos estruturais de aço patinável, de maior resistência à corrosão atmosférica e tensão de escoamento mínima de 300 MPa.
São quatro tipos diferentes de perfis, todos com 2 mm de espessura. O maior deles pesa 23 kg e a estrutura toda pesa cerca de 600 kg. Todas as ligações são parafusadas.
A fixação da estrutura no radier é feita com chumbadores de expansão e parafusos
Paredes divisórias internas: alvenaria de vedação com blocos de concreto, mas materiais alternativos, como o dry-wall, também são viáveis
Instalações hidráulicas e elétricas: convencionais
Revestimento de pisos e paredes internas: não há restrições
Fechamento externo: alvenaria de vedação com blocos de concreto
Acabamento externo: não há restrições
Revestimento de cobertura: telhas cerâmicas
Preço/m2: R$ 360 (com padrões de acabamento da CDHU)


Madeira

ITA
Desde 1980, a Ita Construtora fabrica e monta estruturas industrializadas
de madeira. Somente a estrutura, para qualquer tipo de fechamento, tem velocidade aproximada de montagem de 100 m2/semana. Em 2003, eles apostaram em um novo sistema, que integra, além da estrutura de madeira, lajes, fechamentos e coberturas leves, com tempo aproximado de montagem de 100 m2/mês.
Fundação: sapata isolada de concreto armado (pode variar de acordo com o tipo de solo)
Sistema estrutural: sistema pilar-viga biapoiada, pilares - 12 x 12 cm de seção - de jatobá ou cumaru, e vigas - largura de 12 cm e altura variável em função do vão - de jatobá ou cumaru e/ou de madeira maciça e OSB de 50 mm de espessura
Laje de 2o piso: vigas com largura de 12 cm e barrotes com largura de 6 cm de jatobá ou cumaru, e revestimento de OSB de 25 mm de espessura
Estrutura de cobertura: vigas de jatobá ou cumaru com largura de 12 cm e altura variável em função do vão e/ou de madeira maciça e OSB de 50 mm
de espessura, barrotes de jatobá ou cumaru com largura de 6 cm e forro
de OSB de 25 mm de espessura
Paredes divisórias internas: OSB de 50 mm de espessura
Proteção termoacústica: placas de lã de rocha entre a estrutura e o revestimento do piso, placas de lã de rocha ensacada entre o forro e o telhado. Espessuras e densidades variáveis de acordo com o projeto
Instalações hidráulicas: tubos e conexões de PVC ou sistema com polietileno reticulado e caminhamentos vertical e horizontal por meio de shafts isolados
Instalações elétricas: alimentação por meio de shafts isolados e distribuição embutida ou aparente
Revestimento de pisos e paredes internos: assoalho de madeira sobre caibros de madeira parafusados sobre a estrutura. Nas paredes, placas de gesso acartonado parafusadas sobre as paredes (áreas secas) e revestimento cerâmico aplicado sobre impermeabilização em argamassa de base polimérica reforçada com tela de poliéster (áreas molháveis)
Fechamento externo: paredes de OSB de 50 mm de espessura e caixilhos de madeira maciça
Acabamento externo: argamassa multiuso reforçada com tela de galinheiro e barreira de vapor
Revestimento de cobertura: telha singela em aço ou alumínio
Preço/m2: a partir de R$ 300 (apenas a estrutura). Casa completa: R$ 1 mil



Plástico

Casa Prática
A MVC Componentes Plásticos investiu R$ 2 milhões no projeto da Casa Prática. O sistema começou em 2002 e promete uma casa completa de 36 m2 em quatro dias. Os painéis de fechamento são de plástico, tecnologia chamada Wall System, que é composta por um sanduíche de lâminas de plástico reforçadas com fibra de vidro e com núcleo especial. As casas-padrão podem ser construídas com 36, 42 ou 63 m2, mas há possibilidades de projetos e dimensões especiais.
Fundação: radier de concreto
Sistema estrutural: estrutura metálica com SAC 300. Tem tensão de escoamento mínima de 300 MPa e as espessuras variam de 2 a 2,6 mm. A fixação da estrutura no radier é por meio de chumbadores. A MVC está desenvolvendo um sistema alternativo para a fundação de baldrame e estacas
Laje de 2º piso: não há restrições
PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>

Veja também

Téchne :: Téchne Educação :: ed 205 - Abril de 2014

Artigo discute dimensionamento de edifícios altos em alvenaria estrutural

Téchne :: Téchne Educação :: ed 205 - Abril de 2014

Visita técnica mostra a cobertura do novo estádio do Palmeiras, em São Paulo

Equipe de Obra :: Obras :: ed 70 - Abril de 2014

Desempenho: Drywall com isolamento acústico

Equipe de Obra :: Obras :: ed 70 - Abril de 2014

Cuidados de execução de parede-diafragma