Com alto índice de produtividade, fôrmas perdidas têm sido cada vez mais utilizadas pelas construtoras | Téchne

Sistemas Construtivos

Com alto índice de produtividade, fôrmas perdidas têm sido cada vez mais utilizadas pelas construtoras

Produto é industrializado e dispensa a desforma após a concretagem, o que reduz consideravelmente o cronograma da obra

Dirceu Neto
Edição 241 - Abril/2017

 

Fôrmas distribuídas, amarradas e travadas em obra da fábrica de celulose da Fibria em Três Lagoas (MS). Optou-se por montar no próprio canteiro as grandes dimensões das bases de fundações
 

O sistema de fôrmas perdidas é composto basicamente de três itens: painéis galvanizados de espessura 0,5 mm, grampos de travamento e espaçador plástico, que, ao serem montados, são travados na armadura. É concebido com estrutura (nervuras) e perfurações que aumentam a rigidez e a resistência mecânica, aliviando a pressão no lançamento do concreto, reduzindo a necessidade de escoramento. Ao contrário do método convencional, não há desforma, uma vez que o sistema fica incorporado à estrutura.

Segundo explica Gennaro Troia Jr., presidente da Formalite, fabricante de fôrmas perdidas, o diferencial do sistema é o ganho de rapidez na execução. 'A produtividade do sistema gira em torno de 3 a 6 HH/m2', explica.

Armação da base de fundação pronta para receber a fôrma

O técnico em edificações Marcelo Porto, da Fortes Engenharia, com sede no Espírito Santo, também vê no ganho com a produtividade a principal vantagem do sistema de fôrmas perdidas. 'Você levaria cerca de quatro dias convencionais. Com a forma perdida fazemos o mesmo trabalho em um dia ou um dia e meio, com uma equipe reduzida', explica.

Conteúdo exclusivo para assinantes da revista Téchne

Outras opções

Destaques da Loja Pini
Aplicativos