Construtoras paulistas são exemplo no fluxo de descarte e reaproveitamento de resíduos gerados em canteiros de obras | Téchne

Obras

Construtoras paulistas são exemplo no fluxo de descarte e reaproveitamento de resíduos gerados em canteiros de obras

Saiba como as empresas estão fazendo a gestão do entulho 14 anos após a resolução 307 do Conama entrar em vigor

Por Rosa Symanski
Edição 238 - Janeiro/2017

As construtoras paulistas podem ser parabenizadas. Passados 14 anos desde a entrada em vigor do plano de gestão de tratamento de resíduos na construção, estabelecido pela resolução 307/2002 do Conama, pode-se atestar que 100% das construtoras paulistas têm feito a lição de casa e estão cientes da importância da correta gestão e destino do entulho no canteiro de obras. 'Hoje há uma grande consciência das construtoras desde que as regras foram implantadas', atesta Francisco Vasconcellos, vice-presidente do Sinduscon-SP.

Ele observa, no entanto, que as construtoras são responsáveis por apenas 30% do total de resíduos gerados na cidade de São Paulo. 'O restante, 70%, vem de pequenos geradores, como apontaram estudos realizados anos atrás', afirma Vasconcellos.

O fim certeiro para o destino de materiais descartados como um todo, no entanto, ainda enfrenta um forte obstáculo: a ausência de um plano municipal de gestão de resíduos. 'Esse plano envolveria a participação de todos. Construção civil, residências, setor hospitalar, entre outros setores. Caso contrário, não se conseguirá alcançar uma gestão de resíduos plena', diz Vasconcellos.

Conteúdo exclusivo para assinantes da revista Téchne

Outras opções

Destaques da Loja Pini
Aplicativos