Patologia das anomalias em alvenarias e revestimentos argamassados | Téchne

Artigo

Patologia das anomalias em alvenarias e revestimentos argamassados

Autora apresenta as principais manifestações patológicas em argamassas de revestimentos de edificações

Por Cristiana Furlan Caporrino
Edição 230 - Maio/2016

Cristiana Furlan Caporrino
Mestre em engenharia de estruturas pela Universidade de São Paulo (USP) e professora da graduação e da pósgraduação da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP)
cristianafurlan@calculodeestruturas.com.br

Revestimentos argamassados, como o próprio nome diz, são compostos principalmente por argamassa. As argamassas são a mistura de um ou mais aglomerantes, agregados miúdos e água proporcionando capacidade de endurecimento e aderência.

Os revestimentos têm como principais objetivos dar um aspecto agradável às alvenarias e estruturas, proteger a edificação das intempéries, minimizar a degradação dos materiais de construção e promover a segurança e conforto dos usuários. Qualquer avaria nos revestimentos gera insatisfação dos usuários, além de custos para recuperação e possíveis danos à edificação.

Os agregados são componentes inertes que necessitam de um material ativo, o aglomerante, para que fiquem ligados. Conforme a composição forma-se a pasta, utilizando apenas o aglomerante e água, a argamassa, adicionando à pasta o agregado miúdo e com a adição do agregado graúdo forma-se o concreto. Os aglomerantes podem ser aéreos ou hidráulicos. Os aéreos enrijecem quando expostos ao ar e não têm resistência quando expostos à água, como o gesso por exemplo. O cimento Portland e a cal hidráulica são exemplos de aglomerantes hidráulicos, resistentes à ação da mesma após secos. A seguir são apresentadas as características das argamassas.

Conteúdo exclusivo para assinantes da revista Téchne

Outras opções