Em que situações a cura química é mais recomendada do que a cura úmida? | Téchne

IPT Responde

Em que situações a cura química é mais recomendada do que a cura úmida?

Envie sua pergunta para o email techne@pini.com.br

Edição 226 - Janeiro/2016

Cura do concreto

Renato Faria

Em que situações a cura química é mais recomendada do que a cura úmida?
Para produtos à base de cimento, a cura úmida é sempre a ideal, recomendando- se em alguns casos até mesmo a cura submersa (tubos de concreto, peças delgadas de fibrocimento etc.).

Para todas as situações em que for impossível ou muito difícil realizar a cura com água, deve ser adotada a cura química, enquadrando-se nessa condição paredes de contenção com altura elevada, barragens, superestruturas de obras de arte, canais com paredes verticais ou inclinadas, argamassas de revestimento de fachadas e outros. No caso de emboços que receberão subsequente revestimento cerâmico fixado com argamassa colante (base cimento), a cura química deve ser evitada ou utilizada com muito cuidado. Isto porque os produtos de cura química, sendo constituídos normalmente por emulsões à base de resina acrílica, estireno e butadieno, ou ainda dispersões de ceras, formam uma película impermeável que tende a prejudicar ou mesmo impedir a aderência. No caso de obras cuja cura úmida requeira grande quantidade de água, a opção por cura química também deve ser avaliada.
Engenheiro Ercio Thomaz
Centro Tecnológico do Ambiente Construído (Cetac)

Rejunte

Qual a vida útil dos rejuntamentos de revestimentos cerâmicos em banheiros? Com que periodicidade ele deve ser refeito?
Como executar esse serviço? Para materiais de rejunte convenientemente formulados com aditivos plastificantes, incorporadores de ar, adesivos, fungicidas, algicidas e outros, a vida útil poderá atingir a própria vida útil da estrutura (50 anos no nível mínimo, 75 anos no nível superior de desempenho, conforme norma NBR 15.575:2013 Edificações Habitacionais - Desempenho). Para tanto, em primeiro lugar há necessidade de que o material seja convenientemente preparado (pequena relação água-cimento, boa homogeneização da mistura) e aplicado, ou seja, com efetiva limpeza e preenchimento das juntas, correta compactação e frisamento do material e cura úmida por três ou quatro dias antes do banheiro ser disponibilizado para uso.

Em segundo lugar, há necessidade de cuidados na utilização dos recintos em que o revestimento rejuntado tiver sido adotado, vedando-se o emprego de produtos de limpeza ácidos ou abrasivos. Finalmente, os rejuntes devem ser revisados a cada três ou quatro anos, reexecutando-se trechos localizados onde tenham eventualmente ocorrido desagregações, descolamentos ou outras falhas. Na revisão, ou mesmo reexecução completa do rejuntamento a cada dez ou 15 anos, por exemplo, o material deve ser removido com disco diamantado, tomando-se o devido cuidado para não ferir as placas cerâmicas, reaplicando-se o material de rejunte obedecendo-se aos mesmos cuidados da aplicação inicial. Na execução inicial ou na reaplicação, argamassas e pastas para rejuntamento de placas cerâmicas devem apresentar propriedades adequadas de retenção de água, variação dimensional e outras, devendo atender na integra à norma NBR 14.992:2003 Argamassa à Base de Cimento Portland para Rejuntamento de Placas Cerâmicas - Requisitos e Métodos de Ensaios.
Engenheiro Ercio Thomaz
Centro Tecnológico do Ambiente Construído (Cetac)