Execução de grandes blocos de fundação exige cuidados no traço do concreto e planejamento logístico rigoroso | Téchne

Planejamento

Fundações e contenções

Execução de grandes blocos de fundação exige cuidados no traço do concreto e planejamento logístico rigoroso

Edição 200 - Novembro/2013

Cuidados no processo

Divulgação: Desek

Resfriamento do concreto
A principal medida a ser tomada na execução de grandes blocos de fundação é a redução da temperatura de lançamento do concreto com a substituição total ou parcial da água da dosagem por gelo na mistura. "De acordo com algumas normas americanas, para qualquer sapata com altura superior a 1 m é aconselhável usar gelo no concreto ou usar concreto resfriado", lembra Daniel Franco da Silva, do laboratório Falcão Bauer. Em geral, o gelo deve ser moído e ficar à disposição da central dosadora em caminhões frigoríficos e só deve ser colocado no caminhão betoneira momentos antes da carga, com acompanhamento de um profissional capacitado.

Foto: Marcelo Scandaroli

Cuidados com o traço
Além do resfriamento da água, é altamente recomendado o uso de cimentos com baixo calor de hidratação, como o CPIII. De acordo com Daniel Franco da Silva, do laboratório Falcão Bauer, outra solução indicada é a redução do teor de agregado fino da massa. "Quanto mais areia, maior será a quantidade de água necessária na composição e, consequentemente, de cimento", diz. Em alguns casos, também é recomendável o resfriamento dos agregados graúdos com água gelada. "A brita absorve calor excessiva e rapidamente", explica. Como geralmente o concreto usado nesse tipo de fundação possui resistências de 30 MPa a 50 MPa, a elaboração do traço acaba exigindo consumo elevado de cimento, aumentando assim o calor de hidratação da massa. Para diminuir o calor de hidratação inicial (e ainda, de quebra, aumentar a resistência final da massa), uma alternativa é usar adições como sílica ativa, metacaulim ou qualquer outro material aglomerante capaz de trabalhar como substituto do cimento. "Também podem ser usados nitrogênio líquido e aditivos retardadores de pegas na composição. Mas é fundamental que esses concretos sejam curados adequadamente", observa Arcindo Vaquero y Mayor, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem (Abesc).

 

Avaliação e tratamento das fissuras
Caso o concreto não tenha sido corretamente resfriado, as fissuras poderão ser percebidas já a partir do segundo dia após a concretagem. Vale ressaltar que nem todas as fissuras são relevantes. No entanto, mesmo que superficiais, devem ser investigadas. Caso estejam expostas a ambientes agressivos e atinjam a armadura de aço, devem ser preenchidas com argamassa polimérica a fim de evitar possíveis danos à estrutura.

Em caso de fissuras importantes, que "atravessem" o bloco, os reparos são obrigatórios. "Esse tipo de fissura fragiliza a fundação, podendo ocasionar cisalhamento e ruptura do concreto. Recalques da estrutura podem gerar fissuras nos andares superiores da edificação", lembra Gabriel Meibach Meneghin, gerente de obras da Brookfield Incorporações. Na correção do problema, deve-se aplicar produtos que restabelecerão a integridade e monoliticidade da estrutura, tais como epóxi ou poliuretano estrutural. De acordo com especialistas, o custo da correção pode chegar a até 20% do valor gasto na execução do bloco de concreto. "Por isso, compensa muito mais investir em um estudo prévio bem detalhado", acredita Kuperman. Já a correção do traço do concreto na obra é muito mais difícil e quase raramente indicada. "Dependendo do traço, é até possível colocar mais gelo ou aditivo, mas o ideal é sempre contar com a orientação do consultor envolvido ou então devolver o caminhão", alerta o engenheiro da Brookfield.

Divulgação: Brookfield

Interrupção na concretagem
Quando ocorrer esse tipo de imprevisto, será preciso preparar a superfície do concreto antes do lançamento da camada seguinte. Essa preparação pode ser feita por meio da técnica de corte verde, quando o concreto, próximo à fase final de endurecimento, recebe um jato d'água com pressão de 7 kgf/cm² a 8 kgf/cm² para remoção da nata da superfície e, depois de dois dias, é limpo com água. "É possível também deixá-lo na horizontal e, antes do início da próxima concretagem, submeter sua superfície ao processo de apicoamento para a retirada da nata e da sujeira. Em obras mais sofisticadas, como em barragens, é comum o uso de jatos d'água de alta pressão sobre o concreto endurecido para executar essa tarefa", explica Kuperman, da consultoria Desek.

Canteiro preparado
Dependendo da dimensão do bloco executado, é recomendável prever espaço para a circulação de guindastes de pequeno ou médio porte para o transporte das armaduras até o local onde será executado o bloco. "O aço já chega cortado e dobrado à obra, mas quando são necessárias grandes dimensões, é praticamente impossível carregá-los para dentro do canteiro. Por isso, o ideal é prever também um espaço para alocar uma fábrica para cortá-los e dobrá-los conforme a necessidade de projeto", explica Meneghin, engenheiro da Brookfield. As rampas de acesso também devem ser planejadas de modo a permitir a entrada e a saída dos caminhões betoneiras, que circularão em grande rotatividade pela obra. "A situação mais confortável é contar com duas rampas de acesso, uma para entrada e outra para a saída dos caminhões." Local, dia e hora para estacionar os caminhões na obra são informações que precisam ser coletadas.

O melhor cenário é começar o lançamento do concreto muito cedo, a partir das 6h ou 7h, quando a temperatura ambiente ainda está mais baixa. "Mas em algumas cidades, como Santos (litoral paulista), por exemplo, o serviço em ruas centrais às vezes só pode ser liberado às 9h. Algumas cidades também não permitem que as betoneiras fiquem nas ruas quando o trânsito é intenso", conta Kuperman, da consultoria Desek.

Depois de definir o traço mais indicado para cada projeto, o próximo passo será determinar os gradientes térmicos, ou seja, a evolução das temperaturas do concreto desde o lançamento até sua estabilização com o ambiente. A evolução das temperaturas do concreto lançado deve ser acompanhada em obra, com termômetros especiais.

O estudo prévio da concretagem deve apontar o número de etapas de lançamentos de concreto. "Muitas vezes será feita em várias etapas, mas pode ser feita em uma fase só", afirma Kuperman. Se a opção for pelo lançamento único e contínuo, é preciso garantir com a concreteira o fornecimento ininterrupto do concreto. "Essa operação demandará dezenas de caminhões envolvidos na obra e, dependendo da cidade, pode não haver fornecedores locais capazes de garantir a entrega do volume necessário", observa o engenheiro. "A construtora pode até optar por envolver duas ou mais concreteiras, mas a responsabilidade pela qualidade do produto final ficará diluída entre as empresas e o controle tecnológico será mais complexo", completa.

A parada não planejada por falta de concreto no canteiro pode ocasionar problemas de aderências entre as juntas das camadas de concretagem, o que pode diminuir a vida útil da estrutura da fundação. "A logística e planejamento devem ser elaborados privilegiando a manutenção do fluxo constante e sem interrupções da concretagem. Mas em cidades como São Paulo, por exemplo, o trânsito pode atrapalhar esse processo", observa Daniel Franco da Silva, gerente de unidade do laboratório Falcão Bauer.


PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2

Veja também

Téchne :: Tecnologia :: ed 209 - Agosto de 2014

Conheça as tecnologias em destaque na Concrete Show 2014

Téchne :: Téchne Educação :: ed 209 - Agosto de 2014

Prova comentada - Recebimento e controle do concreto

Téchne :: Téchne Educação :: ed 209 - Agosto de 2014

Programa de aulas - Tecnologia de Construção de Edificações I